• Mãe Maria Elise Rivas

Retorno consciente

Mucuiú, motumbá, kolofé, saravá, axé, salve, salve,

Desde o início de nossa odisseia coletiva neste momento turbulento da pandemia até os dias atuais se passaram 15 meses.

Paramos tudo o que conhecíamos de viver e do viver. Encerramos atividades fora de casa por meses, passamos a viver a família e o ambiente doméstico como se fosse algo novo – o que é no mínimo estranho para uma sociedade que defende a família nuclear acima de tudo e de todos. Não pudemos mais ter o que conhecíamos de lazer fora de casa, aprendemos, em muitos casos, a fazer nosso próprio alimento, passamos a cultuar a religião de modo diferente do que sempre fazíamos (utilizamos mais da tecnologia, com redes sociais e aplicativos para encontros virtuais) e, o mais difícil de tudo, passamos a conviver intimamente com nós mesmos.

Observamos coisas agradáveis e desagradáveis em nós. Pensamos e repensamos o que era felicidade, prazer, amizade, amor, solidariedade e sentimentos falta de uma rotina menos intensa... pois é, a vida dentro de casa se tornou mais intensa do que nossa vida de "rua".

Passamos alguns apertos financeiros, reduzimos gastos, fizemos movimentos solidários coletivos. Passamos a pensar diariamente nas necessidades e dores alheias. Vimos no sentido mais profundo cada vez mais os seres humanos e suas necessidades, em todos os âmbitos, espiritual, psíquico, emocional e físico, do que quando íamos aos rituais.

Jamais pensamos que passaríamos por tudo isto em apenas 15 meses. "Vivemos muitas vidas" em 15 meses.

Vimos que somos fortes e resilientes. Vimos que temos fé no sobrenatural como força viva em nosso interior além das incorporações.

Aprendemos muitas coisas e formas para levar a espiritualidade para dentro de nossas vidas, mas também aprendemos a ritualizar a força de nossos ancestrais e Orixá.

Aprendemos a conviver com a morte e a respeitá-la mais do que temê-la. Aprendemos a observar nosso corpo e agir forçosamente de modo preventivo a partir da ciência. Lembrando que o modo preventivo faz parte dos pressupostos da sabedoria de terreiro.

Vivemos tanto e tão intensamente – e mais uma vez digo – sobrevivermos não apenas de corpo, mas também de alma.

Tornamo-nos seres humanos mais espiritualizadxs a partir do caos. Os limites, as linhas divisórias podem nos levar à loucura ou à cura.

Vocês viram que são fortes, capazes e mais resilientes do que imaginavam.

Venceram o que achavam impossível no início.

Agora, chegando ao final e esperando a esperançosa vacina, teremos de nos organizar para retomadas de nossa dinâmica espiritual presencial.

Somos pessoas novas e começamos uma vida nova, mas juntos e com mais laços de amizade/ irmandade.


Mãe Maria Elise Rivas

Íyá Bê Ty Ogodô

Mestra Yamaracyê





94 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mucuiú, motumbá, kolofé, axé, saravá, salve, salve, aranauan, No dia de Oxalá estamos mais uma vez pedindo suas bênçãos. Somos filhxs rebeldes e mimadxs que têm pouca consciência de nossa capacidade e